Compartilhar share

A verticalização e cuidados para construções:

Publicado em 13/08/2020 às 16:23 - Atualizado em 13/08/2020 às 16:27

No dia 02 de agosto entrou em vigor no município de Jaraguá do Sul, o novo Código de Zoneamento de Uso e Ocupação do Solo (Lei Municipal nº 8.343/2020 de 01/06/2020), no qual a principal alteração em relação a versão anterior é a altura máxima permitida da edificação, conforme o artigo 14º da referida lei.

 

Com as novas regras, as edificações poderão ter altura máxima permitida variando de 36 metros, 60 metros ou 90 metros, de acordo com o anexo III da lei municipal a vigorar (o que correspondem entre 12 a 30 pavimentos em média).

 

 Fonte: Município de Jaraguá do Sul, 2020

https://www.jaraguadosul.sc.gov.br/news/lei-de-zoneamento-uso-e-ocupa-o-do-solo-ser-alterada

 

Deste modo, surgirão construções que na fase de projetos deverão cuidadosamente serem estudadas e analisadas, tanto no impacto de vizinhança, na análise do vento com simulações, no sistema de abastecimento e saneamento, entre outros e especialmente nas fundações e contenções.

 

Diante disso, apresentamos nesse artigo, os cuidados e ações que precisam ser considerados especificamente nos serviços iniciais de uma construção.

 

- Sondagem de simples reconhecimento, chamado de SPT (Standard Penetration Test) e complementada por uma sondagem rotativa (em rocha), caso necessário; e

- Os projetos de fundação, escavação e contenção (quando necessário).

 

O conhecimento do solo ou da rocha em que a construção transferirá todo o seu peso é um dos primeiros passos para a elaboração dos projetos executivos, em que o profissional habilitado pelo CREA (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia) e com expertise na área de geotecnia, apresentará ao proprietário a(s) solução(ões) para a fundação dessa construção, bem como a(s) solução(ões) de escavação e contenções, caso sejam necessários.

 

As empresas executantes das sondagens devem atender a norma NBR 6484:2001 (Solo – Sondagens de simples reconhecimentos com SPT – Método de ensaio) apresentando no relatório definitivo:

 

 - O índice de resistência à penetração no solo (N golpes);

- A identificação das amostras (granulometria, plasticidade, cor e a origem, caso seja aplicado);

- As profundidades, em relação à boca do furo, das transições das camadas e do final da sondagem;

- A identificação dos processos de perfuração empregados e respectivos trechos;

- Identificação da ocorrência do nível d’água; e

- Outras informações conforme a norma.

 

O projeto de fundação deve atender a norma NBR 6122:2019 (Projeto e execução de fundações) e a(s) solução(ões) depende(m) dos resultados das sondagens bem como as cargas dos pilares que são obtidos do projeto estrutural. Normalmente as soluções adotadas no projeto de fundação executadas na região são:

 

- Fundação direta com sapatas, das quais são assentadas sobre solo com alta resistência ou sobre rocha;

- Estacas hélice contínua;

- Tubulões e;

- Estacas pré-moldadas, nesse caso, as mesmas não precisam ir até a nega* desde que dimensionadas por profissional habilitado com expertise em fundações.

 

É de extrema importância a qualidade da sondagem, com informações precisas, como por exemplo: a transição das camadas (com a precisão de duas casas decimais e não por metro), a apresentação dos golpes (nas três colunas), a identificação do nível d’água (inicial e após 24 horas), a identificação do material conforme a norma e a planta de locação dos furos de sondagem com as medidas e nivelamento.

 

Porém, assim como é importante obter uma sondagem de excelente qualidade de informações, o profissional que irá analisa-lo deve ter o conhecimento para interpretá-la. Caso contrário poderá ocorrer vícios no projeto de fundação, que consequentemente trará problemas na execução das fundações ou dos blocos, ou ainda, ocasionando recalque diferenciais (fissuras e/ ou trincas).

 

As vezes o barato sai caro, alguns casos foram observados na região, como por exemplo, não ser possível fazer a escavação dos blocos das estacas pelo solo apresentado ser arenoso com presença de água, sendo esses blocos com  três metros de altura; outro exemplo típico, são escavações com taludes inclinados sem contenções ou com soluções inadequadas; ou seja, sem um estudo qualificado do solo  e um projeto adequado executado por profissional habilitado e com conhecimento em fundações e contenções para essas futuras construções com alturas máximas de 36 metros, 60  metros ou 90 metros, poderão ocorrer riscos a população e prejuízos na execução do empreendimento.

 

E qual é a porcentagem do custo desse estudo do solo e do projeto de fundação/ contenção, ambos com qualidade, em relação ao custo total da obra? Não chegará a 1%, sem dores de cabeça para o empreendedor e/ ou construtor. Este tipo de estudo pode proporcionar uma solução mais segura e economicamente mais viável para toda a obra.  

 

Com o novo código de uso e ocupação de Jaraguá do Sul, podemos ver a maior cidade da nossa região continuar crescendo. Por isso, apoiamos ainda mais aos profissionais do setor construção civil e do mercado imobiliário que geram tantos empregos e fazem a nossa região crescer resiliente e segura.

           

*Nega é o comprimento médio, pré-fixado em projeto, obtido dos 10 últimos golpes do martelo (ou pilão) durante o processo de cravação de uma estaca. É uma medida dinâmica e indireta da capacidade de carga de uma estaca e tem o objetivo de verificar a uniformidade do estaqueamento.

 

**NBR – Norma Brasileira, aprovada pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)

 

Autor: engenheiro civil Wagner Gabriel Mukai (CREA/SC 084.755-9), formado pela UFPR, especialista em geotecnia, compondo atualmente o quadro técnico da Amvali.

 

 

 


publish